Resenha: Will & Will

Olá 😀
Hoje é dia de resenha.. sei que estou um pouquito atrasada, mas foi aniversário de um dos meus bbs ❤

Enfim, comecemos!

Hoje o livro que trago é este abaixo 😀

Will-&-Will

Título: Will & Will - Um nome, um destino.
Autor: John Green e David Levithan
Pág.: 348
Ano: 2014
Editora: Galera
Tradução: Will Grayson, Will Grayson

Continuar lendo

Anúncios

Mudanças no Blog

Na semana antes do carnaval eu percebi o quanto eu estou vivendo para o blog, isso não é bom para mim porque acabo deixando de fazer coisas legais com meus familiares e amigos para poder ficar aqui com vocês e apesar de amar isso, eu sinto muita falta de passar mais tempo com eles e até mesmo de ter mais tempo para mim.

Com isso, algumas reformas serão necessárias. Na terça não terá mais postagens. Mas não pensem que não farei mais o projeto Por Onde Ando ou as Resenhas Literárias, elas continuarão. As resenhas estarão disponíveis na quinta e agora de três em três semanas já que terei três projetos para às quintas. E o projeto Por Onde Ando sairá assim que eu for a algum lugar diferente e fizer a postagem do diário, então, geralmente sairá às sextas.

Bjocas no coração ❤

Resenha: Para Sempre

Olá 😀

Infelizmente, não sei o que está havendo com o vídeo e se alguém souber o que pode ser que deixa o vídeo sem vídeo, ajude-me rs Fica tudo preto e sem áudio depois que renderiza. Então, tenho que deixá-lo para depois.

Vamos ao livro :3

Nome: Para sempre
Autor: Kim e Krickitt Carpenter
Pág.: 144
Editora: Novo Conceito

Sim, tem um filme. Não! A história não é a mesma.

O primeiro ponto que deixou-me muito chateada com o filme é que ele tira toda a essência dos personagens. O que pode ser um ponto positivo também, já que você tem uma história nova para ler e apesar de imaginar o fim, surpreende-se.

Eles não se conhecem numa fila para pagar contas – se não me engano -, como no filme, muito menos moram em locais próximos para que ele a ofereça uma carona.

Bem, vamos ao livro. Na primeira página do livro você já percebe as diferenças, vou citar umas mas com cuidado para não dar muito spoiler rs

Continuar lendo

Aviso sobre as resenhas literárias

Só vindo avisar que não farei mais as resenhas da literatura brasileira, ando desanimada para ler porque não tenho tempo direito e não consigo mais me concentrar no trem, e quando volto estou cansada. E ter que ler um livro por “obrigação” estava me deixando muito desanimada, então, conforme eu for lendo os livros, falarei sobre eles, mas vou deixar a minha vontade me guiar para escolhê-los. Agradeço a compreensão e por vocês estarem aqui, é sério, sou feliz pelas pessoas que encontro através do blog :3

Resenha: Cartas a um jovem poeta

Cartas-jovem-poeta-natureza

O que faria se em um tarde normal, um professor tomasse o livro que lê de suas mãos e após avaliá-lo diz que o antigo aluno agora é, então, um poeta pelo qual você tem admiração? Pois foi o que aconteceu com Kappus, que passou a trocar cartas com o Rilke e depois selecionou as  melhores para montar este livro excepcional.

“O senhor experimentará a grande felicidade de ler esse livro pela primeira vez, passando por suas incontáveis surpresas como em um sonho renovado. Mas posso lhe dizer que, mesmo depois, o leitor volta sempre a percorrer esses livros com espanto, e que eles não perdem nada do seu poder fantástico, persiste seu caráter fabuloso, com o qual cumularam quem os leu pela primeira vez.”

Este é um trecho em que ele descreve outros livros, porém é o trecho que eu encontro a melhor forma de descrevê-lo, pois já perdi a conta de quantas vezes já li este livro ou apenas cartas separadas, porque a cada vez que leio, encontro nele algo que não tinha refletido antes e isto torna a leitura sempre mais impressionante.

O Cartas a um jovem poeta é uma junção de várias cartas que Rilke responde a um aspirante a poeta que não achava em seus versos algo que realmente agradasse a ele próprio.  E não trata-se apenas de dicas de poeta para poeta, através das cartas, eles tornaram-se amigos e tudo quanto fosse capaz de dizer para ajudar, era dito. E isso é uma das coisas que mais gosto. A paciência que Rilke teve em incentivar, aconselhar e edificar o jovem que lhe escrevia. O mais legal do livro, é que as cartas podem ser lidas fora da ordem que ainda assim, será possível entender cada coisa lá escrita. Por várias vezes permiti-me abrir o livro em uma carta qualquer para apreciá-lo. Estou a mais de um mês apenas com ele, apesar de ser uma leitura que pode ser feita em duas horas.

“As coisa em geral não são tão fáceis e apreender e dizer como normalmente nos querem levar a acreditar; a maioria dos acontecimentos é indizível, realiza-se em um espaço que nunca uma palavra penetrou, e mais indizíveis que todos os acontecimentos são as obras de arte, existências misteriosas, cuja vida perdura ao lado da nossa, que passa.”

Este trecho me encanta e eu penso que este livro é uma das obras mais indizíveis, pois ele fala por si próprio e só quem o leu sabe o valor que ele tem.

“…pergunte a si mesmo na hora mais silenciosa de sua madrugada: preciso escrever? Desenterre de si mesmo uma resposta profunda. E, se ela for afirmativa, se o senhor for capaz de enfrentar essa pergunta grave com um forte e simples “Preciso”, então construa a sua vida de acordo com tal necessidade; sua vida tem de se tornar, até na hora mais indiferente e irrelevante, um sinal e um testemunho desse impulso. Então se aproxime da natureza. Procure, como primeiro homem, dizer o que vê e vivencia e ama e perde. […] Caso seu cotidiano lhe parece pobre, não reclame dele, reclame de si mesmo, diga para si mesmo que não é poeta o bastante para evocar suas riquezas; pois para o criador não há nenhuma pobreza e nenhuma ambiente pobre, insignificante. […] E se, desse ato de se voltar para dentro de si, aprofundamento em seu próprio mundo, resultarem versos, o senhor não pensará em perguntar a alguém se são bons versos. Também não tentará despertar o interesse de revistas por tais trabalhos, pois verá neles seu querido patrimônio natural, um pedaço e uma voz de sua vida. Uma obra de arte é boa quando surge de uma necessidade. É no modo como ela se origina que se encontra seu valor, não há nenhum outro critério.”

Estes trechos são os que acredito ser a maior dica para um escritor, não necessariamente um poeta, mas a todos aqueles que escrevem e não conseguem perceber se fazem isto porque querem, amam ou só por qualquer outro motivo alheio.

“Se o senhor se ativer a natureza, ao que há de mais simples nela, as pequenas coisas que quase não vemos e que de maneira imprevista, podem se tornar grandes e incomensuráveis; se o senhor tiver esse amor pelo ínfimo e procurar com toda simplicidade conquistar como um servidor a confiança de que parece pobre – então tudo se tornará mais fácil, pleno e de algum modo reconciliador para o senhor, talvez não no campo do entendimento, que fica para trás, espantando, mas em sua consciência mais íntima, no campo de vigília e de saber.”

Poderia até dizer que esta é uma da partes mais belas, mas o livro é praticamente todo assim e não dá para ficar escolhendo, eu simplesmente abri e coloquei uma das marcações rs

Esse livro foi indicado por um amigo muito especial que conheci “via Manoel ou Manoel via seu blog”, como ele mesmo descreveu :3 E é realmente muito bom, eu já reli este livro inúmeras vezes e nunca canso de lê-lo mais uma vez.

Fiz um vídeo também contando mais de como me senti ao ler o livro. Espero que tenham gostado e até logo. :*